Obras de construção da refinaria do Soyo já arrancaram

46

As obras de construção da Refinaria do Soyo, cujo concurso público internacional foi ganho pelo consórcio norte-americano Quantem, já arrancaram, depois de terem sido concluídos os trabalhos de desminagem e desmatação do terreno de 712 hectares, na zona da Matanga, a Sudoeste da cidade.

A Refinaria, cujo investimento global avaliado em 3,5 mil milhões de dólares, deverá ser concluída em 2025, altura em que começa a processar cem mil barris de petróleo por dia, de acordo com o administrador executivo da Sonangol Refinação e Petroquímica, Faustino Conde, quando apresentava, recentemente, na cidade do Soyo, o projecto da construção desta infra-estrutura às autoridades locais.

Faustino Conde fez saber, na ocasião, que o projecto prevê a construção de uma unidade de processamento e outra de aprovisionamento do petróleo bruto, de transportes e instalação de acessórios, bem como de um cais para ancorar dois petroleiros com a capacidade de até 100 mil toneladas de petróleo bruto.

Avançou que, está, igualmente, prevista a edificação de uma área residencial com capacidade para albergar mil trabalhadores, além de outros serviços como uma estação de produção e tratamento de água potável e residual, um aterro sanitário de resíduos e uma central eléctrica.

O responsável frisou que o projecto surge no âmbito da estratégia do Executivo angolano, instituída no plano nacional de desenvolvimento de construção de novas refinarias no país, de modo a alcançar-se a meta de produção de 260 mil barris por dia, nos próximos anos.

“A construção da Refinaria do Soyo constitui um projecto que a médio prazo irá contribuir para colmatar o défice interno de derivados do petróleo. E é nessa perspectiva que, por Decreto Presidencial número 150 / 19 de 16 de Agosto, foi o Ministério dos Petróleos e Recursos Minerais autorizado a prover e executar o concurso público internacional para seleccionar o investidor com capacidade técnica e financeira para construir, ser proprietário e operar uma Refinaria com capacidade de processar até 100 mil barris de petróleo na cidade do Soyo”, disse.

Reagindo à implementação desta importante infra-estrutura para a economia nacional, o governador do Zaire, Pedro Makita Júlia, valorizou o facto de ser uma oportunidade para a criação de novos postos de trabalho, que resultarão das obras e da posterior operação da Refinaria, abrindo, deste modo, perspectivas de empregos de longo prazo para os habitantes locais e não só.

O consórcio Quanten, além da Atis Nebest, é integrado pelas norte-americanas Quanten LLC, TGT Inc e Aurum & Sharp LCC), foi, em Março do ano passado, anunciado vencedor do concurso para a construção da Refinaria do Soyo, detendo 90 % do capital da unidade, com os outros 10 % a serem detidos pela Sonangol Refinação e Petroquímica.

Artigo anteriorPortugal destaca diversificação da economia angolana
Próximo artigoNegócios da BODIVA rendem mais de 215 mil milhões de kwanzas